«

»

dez 31

Imprimir Post

Incentivo ao confronto foi fator de mortes de policiais no Rio

Confira tudo sobre o reality mais cobiçado da tv brasileira BBB13. Acompanhe Incentivo ao confronto foi fator de mortes de policiais no Rio veja os detalhes desse artigo aqui.

Enterro de PM comoveu colegas




Tentativas de assalto e operações em comunidades são algumas das causas mais comuns de mortes de policiais militares no Rio de Janeiro. Em 2017, foram 134 agentes assassinados até o dia 30 de dezembro. Desse total, 28 foram mortos em serviço, 80 durante a folga e outros 26 eram reformados.


Apesar do número menor que o de 2016, que registrou 146 crimes, a sensação de insegurança entre a população parece ter aumentado, principalmente por causa da projeção dos casos e dos relatos que são compartilhados, segundo o sociólogo e professor da Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Doriam Borges.


— O sentimento de insegurança e a percepção sobre a violência não são derivados apenas das estatísticas de violência e criminalidade, mas são acionados a partir de crenças construídas nas conversas, pela mídia, pelas experiências próprias e de outras pessoas, entre outras coisas. Estamos vivendo isso intensamente no Rio de Janeiro.


Segundo Borges, os números são altos devido a tática de enfrentamento usada pela gestão de segurança pública do Estado. Em um dos casos mais recentes, por exemplo, o cabo Eduardo Deniz da Silva foi baleado no rosto após uma abordagem a suspeitos na avenida Dom Helder Câmara, na zona norte.


O sociólogo evidencia que esse tipo de ações acaba preocupando a população e deixando vítimas dos dois lados.


— O número de policiais militares mortos é alto em função da estratégia empregada pela gestão da segurança pública do Rio de Janeiro, ou seja, o confronto armado contra o “inimigo”. Este tipo de abordagem gera vítimas nos dois lados e não soluciona os problemas de violência e criminalidade e deixa a população preocupada.







Entretanto, o número de policiais mortos em folga é ainda maior que os mortos em serviço. Quando o Estado atingiu a marca de 100 PMs mortos este ano, o antropólogo e veterano da Polícia Militar Paulo Storani, disse ao R7 que, quando ocorrem tentativas de assalto, por exemplo, os criminosos já partem do pressuposto de que a vítima é policial e tentam “eliminar os únicos atores que poderiam impedir seu avanço contra o cidadão de bem”.




Morte de coronel provocou comoção na corporação




Uma dessas mortes que causou grande comoção foi a do coronel Luís Gustavo Teixeira, que comandava o batalhão do Méier (3º BPM). Inicialmente, a corporação informou que ele havia sido vítima de um ataque na rua Lins de Vasconcelos, que fica no bairro de mesmo nome na zona norte da capital. Depois certificou-se que ele foi um dos alvos de um arrastão.


O agente, que estava na polícia havia 26 anos, seguia para o batalhão em um veículo descaracterizado quando foi morto. No local do crime foram encontradas cerca de 32 cápsulas de munições disparadas.


Borges destaca que os agentes também vivem sob pressão e que as chances de morrerem tentando se defender de assaltos ou em operações policiais se tornam maiores por causa do estresse e também da crise vivida pelo Estado.


— Essas chances são elevadas com o estresse do policial, que não tem recursos para desenvolver o seu trabalho, não é valorizado, é estigmatizado pela sociedade, é cobrado pela instituição e ganha mal.


Projeção


Este ano, a Polícia Militar informou que os policiais passam por um processo de reciclagem profissional, melhorando sua capacidade operacional e reavaliando suas condições físicas e psicológicas. Além disso, a corporação disse que também são realizados treinamentos para o aperfeiçoamento do uso de tecnologias não letais, tiro, técnicas de abordagem de pessoas e condução de viaturas, técnicas de autoproteção e patrulhamento, comunicação não-violenta, produção de dados de inteligência e gerenciamento de risco.


Porém, a polícia disse que além dos treinamentos e reciclagens, esse quadro só pode ser revertido “com a revisão do código penal, uma repressão efetiva ao tráfico de armas e, sobretudo, mais investimento em segurança pública e em políticas sociais”.


Já o sociólogo afirma que para haver redução nas mortes de policiais e outros cidadãos, precisa haver uma mudança nas condições políticas, caso contrário, em 2018, os números podem ser ainda maior.


— Infelizmente, se as condições políticas não mudarem e a gestão da segurança não reconhecer que está errando, a expectativa é de aumento do número de policiais mortos, bem como de civis mortos pela polícia.


Borges conclui apontando alternativas para evitar essas mortes.


— O ideal seria a aplicação de diferentes estratégias articuladas, tais como inteligência, investigação e prevenção, evitando o confronto.

O artigo Incentivo ao confronto foi fator de mortes de policiais no Rio foi originalmente publicado em http://www.r7.com/retrospectiva-2017/incentivo-ao-confronto-foi-fator-de-mortes-de-policiais-no-rio-31122017

Link permanente para este artigo: http://hidracthair.com/big-brother-brasil-16/incentivo-ao-confronto-foi-fator-de-mortes-de-policiais-no-rio/