«

»

set 14

Imprimir Post

Casal gay na novela das 18h não foi criado para causar polêmica, diz autor

Confira as principais fofocas globais, Casal gay na novela das 18h não foi criado para causar polêmica, diz autor veja todos os detalhes aqui.

“Orgulho e Paixão” derrubou na última quarta-feira (12) um tabu que perdurava desde a criação da faixa horária das 18h, em 1971 – um beijo entre dois homens. A cena coroou o romance entre os personagens Luccino (Juliano Laham) e Otávio (Pedro Henrique Müller). “Essa trama, que já estava prevista, se desenvolveu no momento certo, assim como a trama dos outros casais da novela que se apaixonaram”, disse ao UOL o responsável pela façanha, autor da novela Marcos Bernstein. “Cenas como as que exibimos colaboram para que o preconceito diminua cada vez mais”, afirmou.

Roteirista de filmes como “Central do Brasil”, “Chico Xavier” e “Zuzu Angel”, colaborador da novela “A Vida da Gente” e coautor, ao lado de Carlos Gregório, de “Além do Horizonte”, Bernstein é o autor principal de “Orgulho e Paixão”.

Na entrevista abaixo, ele comenta a cena entre os personagens Luccino e Otavio e explica o seu contexto. Também fala do trabalho dos atores envolvidos e da repercussão. “‘Orgulho e Paixão’ é uma novela que traz o amor em todas as suas formas. A trama do casal Luccino e Otavio não foi escrita para causar polêmica. Eu escrevi mais uma história de amor, como tantas outras na novela”, diz.

Embora não fosse a trama principal de “Orgulho e Paixão”, o romance entre Luccino e Otavio acabou se tornando o assunto com maior repercussão da novela. Esta história estava planejada desde o início?
Marcos Bernstein: Em “Orgulho e Paixão”, outras tramas repercutiram tanto ou mais do que o romance de Otávio e Luccino. Acredito que essa trama, que já estava prevista, se desenvolveu no momento certo, assim como a trama dos outros casais da novela que se apaixonaram. O casal Aurélio (Marcelo Faria) e Julieta (Gabriela Duarte), por exemplo, também foi um casal que teve sua trama bem amarrada e desenvolvida para que o público embarcasse nesse romance, que a princípio parecia impossível. Todos os casais geraram grande empatia no público, pois foram construídos com muita leveza e delicadeza, como é o DNA da novela.

O beijo entre dois personagens masculinos numa novela das 18h é inédito. Você teve que consultar a emissora a respeito?
Otávio e Luccino é mais um casal que deu certo em “Orgulho e Paixão”. Assim como os outros casais, a história deles foi construída com muita delicadeza e carinho. A trama do casal fazia sentido ser contada, no contexto de uma novela que fala de amor em várias maneiras e não tive questões com a emissora.

Mais do que o beijo, os dois personagens servem para você discutir preconceito e aceitação em 1910 e hoje. A temática está sendo tratada com realismo? Você pesquisou a respeito?
A novela nunca se propôs a ser um retrato fiel da época. E sim, a criar um universo próprio, com espaço para o lúdico e o lírico. Por isso nos sentimos muito à vontade para tratar de temas atuais, até com uma certa liberdade quando se tratando de uma novela de época. É uma característica da novela como um todo trazer temas atuais da sociedade com muita sutileza e delicadeza. Os temas de ontem acabam se misturando com a atualidade. Trazer isso para a tela com leveza e naturalidade é um grande desafio.

Como você vê as reações negativas à cena do beijo?
Acredito que cenas como as que exibimos ontem colaboram para que o preconceito diminua cada vez mais. Pelo que pude perceber, a cena teve uma repercussão muito mais positiva do que negativa por parte do público, e isso já é uma boa resposta. Acredito que os atores também são grandes responsáveis por isso. É muito gratificante ver na tela o resultado da delicadeza deste trabalho. Os atores Juliano Laham e Pedro Henrique Muller se comprometeram em entregar o melhor resultado possível, e isso é muito bom. O Laham veio trazendo desde o início uma atuação muito discreta, que foi explodindo ao longo da novela, com muita competência, já o Pedro Henrique Muller, que estreou na TV com esse papel, mostrou a que veio.

Ao exibir esta cena em 12 de setembro de 2018, em meio a uma campanha eleitoral que tem, entre outros temas, a defesa da “família tradicional” por parte de alguns candidatos, você não teme estar, de alguma forma, tomando partido?
Se tratando de uma obra de ficção, acredito que o público da novela abraçou a trama de uma forma muito natural e tranquila. “Orgulho e Paixão” é uma novela que traz o amor em todas as suas formas. A trama do casal Luccino e Otávio não foi escrita para causar polêmica. Eu escrevi mais uma história de amor, como tantas outras na novela, e por isso acredito que o público respondeu tão bem. O que importa é o amor entre duas pessoas.

Top 10: O melhor e o pior de “Orgulho e Paixão”

Veja também
Globo exibe primeiro beijo gay em novela das 18h
“É mais que necessário”, comemora ator do beijo gay em “Orgulho e Paixão”
Com leveza, Mario/Mariana ajudou “Orgulho e Paixão” a falar de machismo
“Drogas lícitas” elevam classificação indicativa de “Orgulho e Paixão”


Comentários são sempre muito bem-vindos, mas o autor do blog publica apenas os que dizem respeito aos assuntos tratados nos textos.

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

A matéria Casal gay na novela das 18h não foi criado para causar polêmica, diz autor foi originalmente publicado em http://mauriciostycer.blogosfera.uol.com.br/2018/09/14/casal-gay-na-novela-nao-foi-criado-para-causar-polemica-diz-diretor/

Link permanente para este artigo: http://hidracthair.com/produtos/casal-gay-na-novela-das-18h-nao-foi-criado-para-causar-polemica-diz-autor/