«

»

abr 27

Imprimir Post

“Jezabel” estreia com diferenciais entre as produções bíblicas da Record

Confira as principais fofocas globais,

“Jezabel” estreia com diferenciais entre as produções bíblicas da Record

veja todos os detalhes aqui.

Lidi Lisboa como Jezabel (foto: divulgação/Record TV)

A nova produção bíblica da Record TV – “Jezabel“, que estreou nesta semana – traz diferenciais que valem a pena ser destacados. É a primeira produção da emissora com a Formata (em sua primeira incursão em novelas), no momento em que a Casablanca – parceira de longa data da Record – se ocupa com outros programas.

Não é a primeira trama da Bíblia da Record centralizada em uma mulher (vide “A História de Ester“, “Sansão e Dalila” e “Lia“). Porém, é a primeira na qual a protagonista, além de mulher, é negra – vivida por Lidi Lisboa. Também é a primeira em que o vilão (a vilã, no caso) comanda a trama – seu contraponto é o profeta Elias, papel de Iano Salomão.

Jezabel” apresenta um trabalho bonito, em cenários, figurinos, arte, fotografia e trilha sonora, marcando a excelência que a Record TV alcançou em quase uma década de experiência em produções bíblicas. Lidi Lisboa e André Bankoff foram escolhas acertadas para os papeis principais. André, inclusive, em um personagem difícil, como o rei fraco e manipulável. Lidi promete deitar e rolar na pele da rainha sanguinária.

Mais acertada ainda foi a escolha de Cristianne Fridman para comandar o roteiro. Autora de novelas (não bíblicas) de boa repercussão na casa (como “Chamas da Vida” e “Vidas em Jogo“), Cristianne é tarimbada no folhetim e pode contribuir muito em uma fórmula que a Record vem se aprofundando desde “Os Dez Mandamentos“: a inserção de folhetim em histórias da Bíblia.

Elias (Ian Salomão) e seus seguidores (foto: reprodução)

Na realidade, Cristianne Fridman vem ocupar a vaga deixada por Vivian de Oliveira, titular de “Os Dez Mandamentos“, a primeira novela bíblica da Record. Com Cristianne, Paula Richard (de “O Rico e Lázaro” e “Jesus“) é outro bom nome da emissora.

Muitos atribuem o êxito de “Os Dez Mandamentos” exclusivamente à curiosidade do público por passagens icônicas, como as pragas do Egito e a travessia do Mar Vermelho. Sim, claro! Entretanto, a novela também conquistou pelo toque irresistivelmente folhetinesco que Vivian deu à trama bíblica, o que fez a história render uma novela de mais de 200 capítulos.

Sobre “Jezebel“, uma vilã catártica teria todo o potencial para atrair público de novelas. Porém, não é do interesse da Record transformar em “queridinha” uma megera que matava cristãos. Jezabel será apenas uma vilã que deve ser odiada. Para isso, os mocinhos precisam ganhar a simpatia do público.

Os mocinhos da história são os profetas, que, até o momento, têm apenas proferido palavras de ordem e frases de efeito contra a rainha opositora. Os atores desse núcleo parecem engessados, em um tom empostado, pouco natural, como se estivessem o tempo todo doutrinando no altar de uma igreja qualquer. Aí, apenas uma crítica: a direção poderia orientar uma interpretação mais natural, para evitar de parecer mera doutrinação religiosa.

Siga no Facebook – Twitter – Instagram

A matéria

“Jezabel” estreia com diferenciais entre as produções bíblicas da Record

foi originalmente publicado em http://nilsonxavier.blogosfera.uol.com.br/2019/04/27/jezabel-estreia-com-diferenciais-entre-as-producoes-biblicas-da-record/

Link permanente para este artigo: http://hidracthair.com/produtos/jezabel-estreia-com-diferenciais-entre-as-produes-bblicas-da-record/