«

»

nov 06

Imprimir Post

"O Tempo Não Para" ensina dívida histórica com negros sem abordar cotas

Confira as principais fofocas globais, "O Tempo Não Para" ensina dívida histórica com negros sem abordar cotas veja todos os detalhes aqui.

Olívia Araújo, Maicon Rodrigues, Aline Dias, David Júnior e Cris Vianna (foto:: João Miguel Jr/TV Globo)

Passada a euforia com a estreia de “O Tempo Não Para” (a audiência ficou bem acima da média durante o primeiro mês de exibição), a novela de Mário Teixeira segue sem grandes reviravoltas na trama, o que se reflete no Ibope, com média de 26 pontos na Grande SP (um ponto acima da atração anterior, “Deus Salve o Rei“, no mesmo período). Mesmo assim, dentro do esperado pela emissora no horário.

Ainda que a história dos congelados tenha esfriado (não resisti!), “O Tempo Não Para“, a meu ver, tem pelo menos duas grandes qualidades que me fazem assistir à novela com prazer: a galeria de personagens cativantes (menos a Betina) e o texto inspirado de Mário Teixeira.

Isto posto, destaco a abrangente abordagem sobre racismo na trama, com ênfase para o contexto histórico por meio dos personagens ex-escravos – Cesária (Olívia Araújo), Menelau (David Júnior), Cairu (Cris Vianna), Cecílio (Maicon Rodrigues) e Damásia (Aline Dias). Os atores estão ótimos em seus papeis, cada qual com personalidades bem definidas e tramas próprias.

Na semana passada, Cesária e Menelau, de passagem no Rio de Janeiro, visitaram o lugar onde os negros vindos da África desembarcavam para serem vendidos. “O Tempo Não Para” não desperdiça oportunidades para fazer refletir sobre “dívida histórica”. Porém, de maneira sutil, no subtexto. Perceba que nunca se falou na novela em “dívida” ou mesmo “cotas nas universidades”. Não que não devesse. Mas o texto, em vez de incitar polêmicas, vai por um caminho, penso eu, mais eficiente: provoca a reflexão.

Carol Macedo e Milton Gonçalves | Solange Couto (foto: divulgação/TV Globo)

As cenas de contraponto entre os ex-escravos e os personagens negros contemporâneos são as melhores: Eliseu (Milton Gonçalves), um “escravo moderno” e os familiares Barão (Rui Ricardo Dias), que enveredou-se pelo crime, e Paulina (Carol Macedo), que luta para ascender socialmente por mérito próprio. Entre outros, há ainda Vanda (Lucy Ramos), realizada social e profissionalmente. O humor também é uma boa arma usada pelo autor: Coronela (Solange Couto), personagem de caráter duvidoso e posturas questionáveis, refere-se aos negros de forma pejorativa e vive repetindo “Eu não sou negra!“.

O texto também trata do descaso com o idoso, da posição da mulher e outros temas ditos “sociais” – envolvendo personagens negros ou não. Ainda que a expressão “dívida histórica” não seja dita com todas as letras dentro da novela, quem tem o olhar um pouco mais sagaz vai entender direitinho. Basta acompanhar as tramas e captar a mensagem.

Em três meses no ar, “O Tempo Não Para” foi mais eficiente na abordagem da questão negra do que seis meses inteiros de “Segundo Sol“. Tudo bem que talvez essa nem tenha sido a proposta da novela das nove. Mas para uma trama que se passa na Bahia (criticada pelo elenco demasiadamente branco), a representatividade negra passou ao largo e o “O Tempo Não Para” dá um banho.

AQUI tem tudo sobre “O Tempo Não Para“: trama, elenco, personagens, curiosidades.
Siga no Facebook – Twitter – Instagram

A matéria "O Tempo Não Para" ensina dívida histórica com negros sem abordar cotas foi originalmente publicado em http://nilsonxavier.blogosfera.uol.com.br/2018/11/06/o-tempo-nao-para-ensina-divida-historica-com-negros-sem-abordar-cotas/

Link permanente para este artigo: http://hidracthair.com/produtos/o-tempo-nao-para-ensina-divida-historica-com-negros-sem-abordar-cotas/