«

»

jul 27

Imprimir Post

SBT não arrisca e deixa a minissérie "Z4" com cara de novela infantil

Confira as principais fofocas globais, SBT não arrisca e deixa a minissérie "Z4" com cara de novela infantil veja todos os detalhes aqui.


O projeto de novelas infantis do SBT é um dos casos de sucesso mais interessantes da televisão brasileira nesta década. Com as cinco novelas produzidas desde 2012, a emissora mostrou ter identificado claramente um nicho, conquistou um público fiel, explorou inúmeras oportunidades comerciais e fortaleceu o seu lugar na internet.

De “Carrossel” (2012) a “Aventuras de Poliana” (2018), passando por “Chiquititas” (2013), “Cúmplices de um Resgate” (2015) e “Carinha de Anjo” (2016), o SBT estabeleceu um padrão e consolidou um mercado. Só há motivos para comemorar, ainda mais num momento como o atual, de crise econômica e guerra de audiência.

Por tudo isso, é uma decepção ver a falta de ousadia de “Z4”, minissérie que o canal de Silvio Santos estreou nesta quarta-feira (25), na faixa horária das 22h, depois da exibição, em sequência, da nova “Poliana” e da reprise de “Chiquititas”.

Realizada em parceria com Disney Channel, Formata Produções e Sony Music, “Z4” conta a história da criação de uma banda de meninos, administrada por um produtor musical veterano e decadente, Zé Toledo (Werner Schunemann).

Cada garoto, como seria de se esperar, representa um universo diferente: Luca (Pedro Rezende) é um youtuber bem sucedido; Enzo (Apollo Costa), um jovem de família rica criado para gostar de música clássica; Paulo (Gabriel Santana), um hábil dançarino de origem humilde; e Rafael (Matheus Lustosa), um garoto romântico e tímido, que compõe canções de amor.

O tema é excelente, mas os dois primeiros episódios mostraram que o SBT optou por fazer um programa para o mesmo público de suas novelas infantis. Não precisava. Apesar do horário, que permitiria algo mais adulto e sério, a abordagem escolhida parece ser a mais boba possível, no limite do caricato.

Zé Toledo tem rompantes de bedel de escola (de “Poliana”?). Sua assistente, Judith (Angela Dippe), exibe a descontração da cozinheira de “Carinha de Anjo”. Os garotos, todos, parecem personagens de alguma novela infanto-juvenil – bem exagerados. E por aí vai. Só a filha do produtor, Pâmela (Manu Gavassi), não soou fora do tom.

Os bastidores da indústria musical, o universo de fãs-clubes e o mundo dos youtubers, entre outros, são assuntos que podem ser desenvolvidos em “Z4” de uma forma um pouco mais ambiciosa. Espero que isso aconteça. Mas o que a minissérie mostrou neste início indica a opção por um outro caminho, mais fácil e óbvio.


Comentários são sempre muito bem-vindos, mas o autor do blog publica apenas os que dizem respeito aos assuntos tratados nos textos.

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

A matéria SBT não arrisca e deixa a minissérie "Z4" com cara de novela infantil foi originalmente publicado em http://mauriciostycer.blogosfera.uol.com.br/2018/07/27/sbt-nao-arrisca-e-deixa-a-minisserie-z4-com-cara-de-novela-infantil/

Link permanente para este artigo: http://hidracthair.com/produtos/sbt-nao-arrisca-e-deixa-a-minisserie-z4-com-cara-de-novela-infantil/